Facebook

Publicado em 07-06-2018

Apaixonado pelo desporto e, principalmente, pelo atletismo desde os primeiros passos, Luís Duarte Casaca Semedo nasceu em Portalegre a 8 de Agosto de 1988. Logo em criança rapidamente lhe reconheceram o seu talento inato para a actividade física, a sua rapidez, agilidade e resistência. Das brincadeiras de criança cedo passou para a competição, destacando-se imediatamente nos corta-matos escolares. E foi num Corta-Mato Distrital, realizado no concelho de Arronches, que Luís Semedo, ainda com 13 anos, captou o olhar e atenção de João Carlos Correia, o presidente do Atletismo Clube de Portalegre (ACP), que rapidamente convenceu o jovem de Fortios a envergar a camisola que ainda hoje veste com orgulho, e com a qual tem dignificado o clube, a cidade de Portalegre e o Alto Alentejo.

Publicado em 24-04-2018

«Quando acabei a quarta classe, os meus pais deram-me a escolher entre o Liceu e a Escola Industrial. Disse que queria ir para uma loja e aqui estou. Apanhei prisão perpétua».

Publicado em 07-03-2018

Nasceu 30 de Agosto de 1984, em Alcáçovas, mas foi em Portalegre, onde chegou com apenas um ano e meio, que cresceu e ainda hoje reside, colocando no mapa a capital de distrito do Alto Alentejo. Numa cidade e região carregadas de bons atletas, bons eventos desportivos e de gente apaixonada pelo atletismo, Bruno Paixão é hoje uma inspiração, uma prova de que, com talento, tenacidade, garra e dedicação, é possível quebrar as barreiras entre o Interior e o Litoral, e estar entre os melhores do País.

Publicado em 08-02-2018

«A carreira de uma actriz nunca acaba, vai até ao fim da vida. Dura enquanto eu tiver ouvido, voz e memória»

Publicado em 07-02-2018

«A SIC para mim foi um sonho, é um sonho todos os dias, e ao fim deste tempo todo, por vezes ainda não acredito que o consegui»

Publicado em 06-12-2017

O pedido que lhe fizemos para que nos contasse a sua história foi aceite sem hesitar. Sónia Silva sabe, por experiência própria, que por muito difícil que seja falar sobre este assunto, é essencial que se fale cada vez mais e, sobretudo, tem esperança que cada história que é contada possa ser mais um passo que é dado para a consciencialização da importância que um diagnóstico precoce pode ter nesta guerra. UmA guerra contra um inimigo que ninguém controla e ao qual ninguém é imune.

Publicado em 20-09-2017

É um adeus comovido aos seus doentes, dadores e à profissão que exerceu durante 44 anos. Aos 70 anos, Ana Maria Meira, a eterna "enfermeira do sangue", despiu a bata que durante anos envergou com total entrega e dedicação, colocando um ponto final na sua carreira enquanto profissional de saúde. Para trás ficam as memórias, as histórias e a nostalgia da menina que no início «não podia ver pinga de sangue» e que já mulher fez da dádiva de sangue uma das suas bandeiras.

1ª Página

PUBLICIDADE

Calendário

Julho 2019
S D
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4

RTP Notícias

 

Links Úteis